Algoritmo do Lixo Food Scraps Algorithm

2018, Poesia gráfica Graphic poetry

Impressão digital
Graphic print

As minhocas não comem de tudo. O Algoritmo do Lixo é um poema escrito no formado de código que convida o público a separar o melhor dos restos de comida para produção de solo nutritivo com a ajuda de minhocas. O trabalho foi desenvolvido no contexto do NINHO, facilitando a coleta de lixo orgânico no ateliê do coletivo e também na escola pública onde ministrávamos oficinas de arte, tecnologia e agroecologia.

Baixe aqui o arquivo digital para ter o algoritmo do lixo na sua cozinha:

Earthworms don’t eat everything. The Food Scraps Algorithm is a poem written in the form of a code that divides organic waste into two portions, one of them is for the vermicomposter.

Download the digital file here to get the garbage algorithm to your kitchen:

Maurício Chades é um artista e cineasta originário de Gilbués-PI. Entre filme, instalação, escultura e performance, seu trabalho especula sobre futuros simbióticos, anticoloniais e ecologias cuir. Através de ficção, tenta diluir fronteiras entre cidade, campo e floresta. Vislumbrando ambientes sintrópicos e alianças multi-espécie, sua prática artística combina contação de história com agricultura restaurativa, compostagem e fungicultura. É Bacharel em Audiovisual e Mestre em Arte e Tecnologia pela Universidade de Brasília e Master in Fine Arts pela School of the Art Institute of Chicago. Em Brasília, participou dos coletivos Espaço AVI, Kinofogo Cineclube e NINHO – Coletivo de Pesquisa em Arte, Interatividade e Agroecologia. Seus trabalhos foram exibidos em festivais de cinema e exposições nacionais e internacionais, como a Mostra de Cinema de Tiradentes, Olhar de Cinema, Festival do Rio, Queer Lisboa e FILE – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica. Em 2019, sua primeira exposição individual, Pirâmide, Urubu, estreou na Torre de TV Digital de Brasília, projeto premiado com o Frankenthaler Climate Art Awards em 2022. Atualmente, Maurício é artista visitante no Metabolic Studio em Los Angeles e participará da 40ª Bienal Videobrasil.

Maurício Chades is an artist and filmmaker from Brazil. His works, in film, installation, sculpture, and performance, speculate about anticolonial symbiotic futures and queer ecologies. Through fiction, he strives to blur the separations between city, countryside, and forest. Envisioning syntropic environments and multispecies alliances, his art practice combines storytelling with restorative agriculture, composting, and fungiculture. He holds a BA in Cinema Studies and an MA in Art and Technology from the University of Brasilia, and an MFA from the School of the Art Institute of Chicago. He participated in collective groups such as Espaço AVI, Kinofogo Cineclube, and NINHO - Collective for Research in Art, Interactivity, and Agroecology. His works were shown worldwide, like at Queer Lisbon, Curitiba International Film Festival, and FILE – Electronic Language International Festival. In 2019, he presented his first solo show, Pyramid, Urubu, at The Brasilia Digital TV Tower, receiving the Frankenthaler Climate Art Awards in 2022.  Chades is currently a visiting artist at The Metabolic Studio in Los Angeles and is being featured at the Biennial Videobrasil.

Curriculum

12 + 5 =