Pirâmide_Roupa Branca_Estúdio Cajuína_28abr15_029

Maurício Chades é artista visual e cineasta piauiense residente em Brasília. Mestre em Arte e Bacharel em Audiovisual pela Universidade de Brasília, participou de workshops na EICTV (Cuba). As possibilidades de espacializar o cinema e o vídeo; os ecos entre tecnologias antigas e novas; a decomposição de materiais digitais, orgânicos e inorgânicos; a vida/morte, os rituais de morte e a interação entre seres visíveis e invisíveis; e as tensões e justaposições entre as paisagens da cidade, do campo e das florestas são temas que orbitam seu trabalho.


Filmografia

como diretor:

“Um copo d’Água” curta-metragem, ficção, 12’, 2012

“Feito a mão”, documentário, 7’, 2013

“Carona 47”, documentário, 20’, 2017

“Pirâmide, Urubu”, experimental, 20’, 2017

“JUCA”, ficção, curta-metragem (em pós-produção)

Outros:

“Mãezinha dos Tambor” curta-metragem, documentário, 8’, 2011 (montador)

“Meio Tempo”, curta-metragem, ficção, 14’, 2012 (diretor de fotografia)

“Uma dose violenta de qualquer coisa”, longa-metragem, ficção, 96’, 2013 (assistente de arte)

“Das raízes às Pontas”, documentário, 20’, 2015 (produtor, assistente de direção, montador)

“Ainda temos a imensidão da Noite”, longa-metragem, ficção, 2019 (making of)

“Claudia e o Crocodilo”, curta-metragem de animação, 2019 (roteirista e montador)

Prêmios

2012: Premiado na categoria Minuto Terror, Leni. Festival do Minuto.

2014: “Influenciador em audiovisual e design”, Festival Retrato Brasília.

2016: Melhor Filme Júri Popular, Das Raízes às Pontas. Mostra Brasília do 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

2017: Melhor Documentário, Das Raízes às Pontas. I Encontro de Diretoras e Cineastas Negras

2017: Melhor Trilha Sonora, O vídeo de 6 faces. Mostra Brasília do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Participação em Mostras e Festivais

2012: 45º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Mostra Brasília. Um Copo D’água.

2012: 39a Jornada Internacional de Cinema da Bahia, Seleção Competitiva

Internacional. Um copo D’água.

2012: Festival do Minuto. Leni.

2013: Mostra de Curtas de Brasília. Um copo D’água.

2013: Exposição “Livro, Filme e Artista estão presentes”, no Espaço Cultural

Elefante. Um Copo d’Água e performance com Tatiana Bevilacqua.

2014:Cineme-se. Um copo D’água.

2014: Projeto Lacuna, Festival Fora do Eixo, no Museu Nacional da

República. Transparente.

2014: Good Moments Tattoo Meeting. Feito a mão.

2014: 11o Festival Taguatinga de Cinema. Feito a mão.

2014: Projeto Lacuna, na Galeria Alfinete. Cogum.

2014: NY Art Book Fair, no MoMA PS1. As aventuras subjetivas de Björk.

2015: Festival Retrato Brasília, no CCBB Brasília. Performance audiovisual com Grupo Mesa de Luz e Coletivo Transverso.

2015: Exposição “Moradas Imaginárias e suas Telhas aparentes”, Galeria Ponto, com curadoria de Hannah Gopa.

2015: III Feira de Arte Erótica, Galeria Objeto Encontrado.

2016: Short Film Corner, Festival de Cannes. Das Raízes às Pontas.

2016: Residência artística no Parque de Produções Sônia Paiva (DF).

2016: Feira Plana: Edição Preto e Branco (SP).

2016: Residência artística em Nuvem – Estação Rural de Arte e Tecnologia (RJ).

2016: Feira 102: Arte e Política, Galeria Objeto Encontrado.

2016: Feira Dente.

2016: Mostra Zona de Contágio. Carona / 47.

2016: Exposição “Um nó : 6 pontas – Espaço AVI”, Centro de Cultura Raul de Leoni (Petrópolis, RJ).

2017: Exposição “Onde Anda a Onda”, Museu Nacional da República (DF), com curadoria de Wagner Barja

2017: Exposição coletiva “FUGA Movimento I”, pela Alfinete GAleria

2017: 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Mostra Brasília. O vídeo de 6 faces.

2018: Hiperorgânicos 8, UFRJ, Rio de Janeiro. Ministrou a oficina Relógio das Sensações.

2018: Mostra do Filme Livre, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília. O vídeo de 6 faces.

2018: FILE Festival, São Paulo. O vídeo de 6 faces e Buraco Branco.

2018: Exposição NINHO.